sexta-feira, 29 de março de 2019

Semana da Leitura 2019: Poesia em Inglês

Seguem-se alguns dos poemas lidos na atividade.

What else has to happen in the world
To turn your heart to me
How much tears should I drop
What flower has to be born
To win your love

For this love, my God,
I’d do everything
I’d declaim the most beautiful poems of the universe
Let´s see if I convince you

It will take a miracle
That my heart may rejoice
I swear I will not give up
Make rain or sunshine
Because I need you to follow.

I wish I could
Embrace you in the fall, summer and spring
Maybe living a chimera
Have luck and win your heart.

Translated by Ana Carolina and Nuno Ricardo, 10th D
Read by Maria João Gonçalves, 10th C
“LOVE IS A FIRE THAT BURNS UNSEEN” BY LUÍS VAZ DE CAMÕES, TRANSLATED BY RICHARD ZENITH
Love is a fire that burns unseen,
a wound that aches yet isn’t felt,
an always discontent contentment,
a pain that rages without hurting,
a longing for nothing but to long,
a loneliness in the midst of people,
a never feeling pleased when pleased,
a passion that gains when lost in thought.
It’s being enslaved of your own free will;
it’s counting your defeat a victory;
it’s staying loyal to your killer.
But if it’s so self-contradictory,
how can Love, when Love chooses,
bring human hearts into sympathy?
Love Sonnet 18 (by William Shakespeare)
Shall I compare thee to a summer's day?
Thou art more lovely and more temperate:
Rough winds do shake the darling buds of May,
And summer's lease hath all too short a date:
Sometime too hot the eye of heaven shines,
And often is his gold complexion dimm'd;
And every fair from fair sometime declines,
By chance or nature's changing course untrimm'd;
But thy eternal summer shall not fade
Nor lose possession of that fair thou owest;
Nor shall Death brag thou wander'st in his shade,
When in eternal lines to time thou growest:
So long as men can breathe or eyes can see,
So long lives this and this gives life to thee.
A TRUE FRIEND
by  
Ashley Montgomery
who dedicated this poem to
her best friend Jade.
A true friend never walks away
A true friend will always stay
A true friend looks out for you
A true friend will guard your secrets
Like a precious gift
A true friend is there for you
To give you a helpful lift
A true friend tries to make you smile
Tries to replace that frown
They may not always succeed
But they rarely let you down
These arms for you are open
This heart for you does care
And when I think you need me
I'll try to always be there
I'll listen to your fears
I promise not to laugh
Comfort your falling tears
 I'll make this friendship last
I'll keep you near to my heart
I'll always hold you dear
Even when we're miles apart
Even when you're here
I hope I am to you
Everything you are to me
For the friendship we have
Is a special one indeed.
Cinderella - Poem by Roald Dahl
I guess you think you know this story.
You don't. The real one's much more gory.
The phoney one, the one you know,
Was cooked up years and years ago,
And made to sound all soft and sappy
just to keep the children happy.

Mind you, they got the first bit right,
The bit where, in the dead of night,
The Ugly Sisters, jewels and all,
Departed for the Palace Ball,
While darling little Cinderella
Was locked up in a slimy cellar,
Where rats who wanted things to eat,
Began to nibble at her feet.


She bellowed 'Help!' and 'Let me out!
The Magic Fairy heard her shout.
Appearing in a blaze of light,
She said:
'My dear, are you all right?'
'All right?' cried Cindy.'Can't you see
'I feel as rotten as can be!'
She beat her fist against the wall,
And shouted,
'Get me to the Ball!
'There is a Disco at the Palace!
'The rest have gone and I am jealous!
'I want a dress! I want a coach!
'And earrings and a diamond brooch!
'And silver slippers, two of those!
'And lovely nylon panty hose!
'Done up like that I'll guarantee
'The handsome Prince will fall for me!'
The Fairy said, 'Hang on a tick.'
She gave her wand a mighty flick
And quickly, in no time at all,
Cindy was at the Palace Ball!

It made the Ugly Sisters wince
To see her dancing with the Prince.
She held him very tight and pressed
herself against his manly chest.
The Prince himself was turned to pulp,
All he could do was gasp and gulp.
Then midnight struck. She shouted,
'Heck!
I've got to run to save my neck!'
The Prince cried, 'No! Alas! Alack!'
He grabbed her dress to hold her back.
As Cindy shouted,
'Let me go!'
The dress was ripped from head to toe.

She ran out in her underwear,
And lost one slipper on the stair.
The Prince was on it like a dart,
He pressed it to his pounding heart,

'The girl this slipper fits,' he cried,
'Tomorrow morn shall be my bride!
I'll visit every house in town
'Until I've tracked the maiden down!'
Then rather carelessly, I fear,
He placed it on a crate of beer.
At once, one of the Ugly Sisters,

(The one whose face was blotched with blisters)


Sneaked up and grabbed the dainty shoe,
And quickly flushed it down the loo.
Then in its place she calmly put
The slipper from her own left foot.
Ah ha, you see, the plot grows thicker,
And Cindy's luck starts looking sicker.

Next day, the Prince went charging down
To knock on all the doors in town.
In every house, the tension grew.
Who was the owner of the shoe?
The shoe was long and very wide.
(A normal foot got lost inside.)
Also it smelled a wee bit icky.
(The owner's feet were hot and sticky.)
Thousands of eager people came
To try it on, but all in vain.
Now came the Ugly Sisters' go.
One tried it on. The Prince screamed,
'No!'
But she screamed, 'Yes! It fits! Whoopee!
'So now you've got to marry me!'
The Prince went white from ear to ear.
He muttered,
'Let me out of here.'
(Ugly Sister1)'Oh, no you don't! You made a vow!
'There's no way you can back out now!'
'Off with her head!'
The Prince roared back.
They chopped it off with one big whack.
This pleased the Prince. He smiled and said,

'She's prettier without her head.'
Then up came Sister Number Two,         Who yelled, 'Now I will try the shoe!'
'Try this instead!' the Prince yelled back.   He swung his trusty sword and smack
Her head went crashing to the ground.
It bounced a bit and rolled around.
In the kitchen, peeling spuds,
Cinderella heard the thuds
Of bouncing heads upon the floor,
And poked her own head round the door.

'What's all the racket?' Cindy cried.
'Mind your own bizz,' the Prince replied.
Poor Cindy's heart was torn to shreds.
My Prince!
she thought. He chops off heads!
How could I marry anyone
Who does that sort of thing for fun?

The Prince cried, 'Who's this dirty slut?
'Off with her nut! Off with her nut!'
Just then, all in a blaze of light,
The Magic Fairy hove in sight,
Her Magic Wand went swoosh and swish!
'Cindy!' she cried, 'come make a wish!
'Wish anything and have no doubt
'That I will make it come about!'
Cindy answered, 'Oh kind Fairy,
'This time I shall be more wary.
'No more Princes, no more money.
'I have had my taste of honey.
I'm wishing for a decent man.
'They're hard to find. D'you think you can?'
Within a minute, Cinderella
Was married to a lovely feller,
A simple jam maker by trade,
Who sold good home-made marmalade.
Their house was filled with smiles and laughter
And they were happy ever after.


segunda-feira, 25 de março de 2019

Maria Alberta Menéres


Biografia de Maria Alberta Menéres

Maria Alberta Menéres nasceu em 1930, em Vila Nova de Gaia. Tem umavasta obra poética, estando representada em várias antologias literárias nacionais e estrangeiras. Foi professora dos Ensinos Básico e Secundário nas disciplinas de Língua Portuguesa e História. É autora de inúmeros programas televisivos para crianças, tendo sido diretora do Departamento de Programas Infantis e Juvenis da RTP de 1974 a 1986. Publicou mais de 69 livros para crianças (contos, poesia, BD, teatro e novela). Em 1986, recebeu o Grande Prémio Calouste Gulbenkian de Literatura para Crianças "pelo conjunto da sua obra literária e pela manutenção de um alto nível de qualidade".

Alguns dos seus livros:
Ulisses
O livro de natal
O que é que aconteceu na terra dos Procópios?
Figuras figuronas
O poeta faz-se aos 10 anos
Dez dedos dez segredos
Histórias do tempo vai tempo vem
Camões o super-herói da língua portuguesa


Maria Clara, 6ºB
______________________________

Maria Alberta Menéres

Maria Alberta Rovisco Garcia Menéres nasceu a 25 de agosto de 1930, tendo atualmente 88 anos. Foi professora, jornalista, escritora portuguesa e poeta. Maria Alberta Meneres é filha de Alberto Pinto Menéres e de Maria Hermínia de Almeida. O seu género literário compõe-se em romance, conto e literatura infantil. Licenciada em Ciências Histórico -Filosóficas pela faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Em 1952 escreveu o seu primeiro livro com o título “Intervalo”. Participou em 1960 no concurso internacional de poesia «Giacomo Leopardi».De 1965 a 1973 foi professora nos Ensinos Técnicos, Preparatório e Secundário tendo lecionado Língua Portuguesa e História. Colaborou em vários jornais e revistas literárias como o “Diário de Notícias”, “Cadernos do Meio Dia» e «Diário Popular». Em 1986 recebeu o grande prémio «Calouste Gulbenkian» de literatura para crianças e jovens pelo conjunto da sua obra literária. Dirigiu o Departamento de Programas Infantis e Juvenis da radio e televisão de Portugal, com seu marido E.M. de Melo e Castro organizou a «Antologia da Novíssima Poesia Portuguesa». Entre 1990 e 1993 dirigiu a revista «Pais».
A 8 de Junho de 2010 foi agraciada com o grau de Comendadora da Ordem do Mérito.
Algumas das suas obras foram: “ Ulisses”, “O Almoço”, “Quotidiana”, “Conversas em Versos”, “O Robot Sensível”…. 

Cristiana Peneda, Nº13, 6ºB
_____________________________

Biografia de Maria Alberta Menéres

Maria Alberta Rovisco Garcia Menéres filha de Alberto Pinto Menéres e de sua mulher Maria Hermínia de Almeida Rovisco Garcia, nasceu a 25 de agosto de 1930, tendo atualmente 88 anos.
Licenciada em Ciências Histórico-Filosóficas pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, teve um bom percurso escolar. Escreveu o primeiro livro em 1952, com o título Intervalo. Em 1960Água-Memória, valia-lhe o prémio do Concurso Internacional de Poesia Giacomo Leopardi.
De 1965 a 1973 foi professora nos Ensinos Técnicos, Preparatório e Secundário, tendo lecionado Língua Portuguesa e História. Colaborou com vários jornais e revistas literárias — "Diário de Notícias", "Távola Redonda", "Cadernos do Meio Dia" e "Diário Popular", onde coordenou a secção de iniciação à literatura.
De 1974 a 1986, dirigiu o Departamento de Programas Infantis e Juvenis da Rádio e Televisão de Portugal e, em paralelo, organizou a "Antologia da Novíssima Poesia Portuguesa", com E. M. de Melo e Castro, seu marido.
Entre 1990 e 1993 dirigiu a revista Pais. Entretanto, na Provedoria da Justiça, foi-lhe dada a responsabilidade  de Provedora de Justiça de Crianças.
A sua obra infanto-juvenil inclui poesia, contos, Banda desenhada, teatro, novelas, cómicos e a adaptação de clássicos da literatura. Em 1986 recebeu o Grande Prémio Calouste Gulbenkian de Literatura para Crianças e Jovens, pelo conjunto da sua obra literária. A 8 de Junho de 2010 foi agraciada com o grau de Comendadora da Ordem do Mérito.

Obras:

§    O almoço
§    Quotidiana, 1943
§    Intervalo, 1952
§    Cântico de Barro, 1954
§    A Palavra Imperceptível, 1955
§    Oração de Páscoa, 1958
§    Água - Memória, 1960
§    A Pegada do Yeti
Gonçalo Barros, 6ºA
_____________________________________
        Maria Alberta Menéres


Maria Alberta Rovisco Garcia Menéres filha de Alberto Pinto Menéres e de sua mulher Maria Hermínia de Almeida Rovisco Garcia, nasceu a 25 de agosto de 1930, tendo, actualmente, 89 anos.
Licenciada em Ciências Histórico-Filosóficas pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, teve um bom percurso escolar. Escreveu o primeiro livro em 1952, com o título Intervalo. Em 1960Água-Memória, valia-lhe o prémio do Concurso Internacional de Poesia Giacomo Leopardi.
De 1965 a 1973 foi professora nos Ensinos Técnicos, Preparatório e Secundário, tendo leccionado Língua Portuguesa e História. Colaborou com vários jornais e revistas literárias — "Diário de Notícias", "Távola Redonda", "Cadernos do Meio-Dia" e "Diário Popular", onde coordenou a secção de iniciação à literatura.
De 1974 a 1986, dirigiu o Departamento de Programas Infantis e Juvenis da Rádio e Televisão de Portugal e, em paralelo, organizou a "Antologia da Novíssima Poesia Portuguesa", com E.M. de Melo e Castro, seu marido.
Entre 1990 e 1993 dirigiu a revista Pais. Entretanto, na Provedoria da Justiça, foi-lhe dada a responsabilidade Provedora de Justiça de Crianças.
A sua obra infanto-juvenil inclui poesia, contos, Banda desenhada, teatro, novelas, cómicos e a adaptação de clássicos da literatura. Em 1986 recebeu o Grande Prémio Calouste Gulbenkian de Literatura para Crianças e Jovens, pelo conjunto da sua obra literária.
A 8 de Junho de 2010 foi agraciada com o grau de Comendadora da Ordem do Mérito.

Leonor Borges,6ºA
________________________________
Maria Alberta Menéres
Maria Alberta Rovisco Garcia Menéres é uma professora, jornalista, escritora e poeta. Nasceu a 25 de Agosto de 1930 e tem  88 anos.
A sua nacionalidade é portuguesa, filha de Alberto Pinto Meneres e Maria Hermínia de Almeida Garcia.  
A sua obra infanto-juvenil inclui poesia, contos, banda desenhada, teatro, novelas e adaptação de clássicos.
Em 1986 recebeu um grande prémio. A 8 de junho de 2010 foi agraciada com o grau de Comendadora da Ordem do Mérito.
Bibliografia: https://www.portoeditora.pt/autor/maria-alberta-meneres

Liliana Peneda, Nº11, 6ºB

________________________________
Maria Alberta Menéres
Maria  Alberta Menéres
Maria Alberta Menéres nasceu em 1930, em Vila Nova de Gaia. Tem uma vasta obra poética, estando representada em várias antologias literárias nacionais e estrangeiras. Foi professora dos Ensinos Básico e Secundário nas disciplinas de Língua Portuguesa e História. É autora de inúmeros programas televisivos para crianças, tendo sido Diretora do Departamento de Programas Infantis e Juvenis da RTP de 1974 a 1986. Publicou mais de 69 livros para crianças (contos, poesia, BD, teatro e novela). Em 1986, recebeu o Grande Prémio Calouste Gulbenkian de Literatura para Crianças "pelo conjunto da sua obra literária e pela manutenção de um alto nível de qualidade".
Uma das suas obras é Ulisses.
Bibliografia: https://www.wook.pt/autor/maria-alberta-meneres/129

Maria Pimenta,6ºB
__________________________

Maria Alberta Menéres
 Ulisses, Passinhos da Maria, Aventuras    da Engrácia …são algumas das suas obras.

Maria Alberta Menéres nasceu em 1930, em Vila Nova de Gaia. Tem uma vasta obra poética, estando representada em várias antologias literárias nacionais e estrangeiras. Foi professora dos Ensinos Básico e Secundário nas disciplinas de Língua Portuguesa e História. É autora de inúmeros programas televisivos para crianças, tendo sido Diretora do Departamento de Programas Infantis e    Juvenis da RTP de 1974 a 1986.

Bibliografia: https://www.portoeditora.pt/autor/maria-alberta-meneres
Marta Oliveira, 6ºA
___________________________________________________
Maria Alberta Menéres nasceu em, 1930 em Vila Nova de Gaia.
Foi professora dos ensinos básico e secundário nas disciplinas de Língua Portuguesa e Historia. É autora de inúmeros programas televisivos para crianças, tendo sido Diretora do Departamento de Programas Infantis e Juvenis da RTP de 1974 a 1986. Publicou mais de 69 livros (contos, poesias, BD, teatro e novelas). Em 1986 recebeu o grande prémio Calouste Gulbenkian de Literatura para Crianças pelo conjunto da sua obra literária e pela manutenção de um alto nível de qualidade.
Bibliografia: https://www.portoeditora.pt/autor/maria-alberta-meneres
Maria Inês Oliveira, 6ºB
_______________________________

Maria Alberta Menéres
Maria Alberta Rovisco Garcia Menéres filha de Alberto Pinto Menéres  e de sua mulher Maria Hermínia de Almeida Rovisco Garcia, nasceu a 25 de agosto de 1930, tendo atualmente 88 anos.
Licencia em Ciências Histórico-Filosóficas pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, teve um bom percurso escolar. Escreveu o primeiro livro em 1952, com o título Intervalo. Em 1960Água-Memória, valia-lhe o prémio do Concurso Internacional de Poesia Giacomo Leopardi.
De 1965 a 1973 foi professora nos Ensinos Técnicos, Preparatório e Secundário, tendo leccionado Língua Portuguesa e História. Colaborou com vários jornais e revistas literárias — "Diário de Notícias", "Távola Redonda", "Cadernos do Meio Dia" e "Diário Popular", onde coordenou a secção de iniciação à literatura.
De 1974 a 1986, dirigiu o Departamento de Programas Infantis e Juvenis da Rádio e Televisão de Portugal e, em paralelo, organizou a "Antologia da Novíssima Poesia Portuguesa", com E.M de Melo e Castro, seu marido.
Entre 1990 e 1993 dirigiu a revista Pais. Entretanto, na Provedoria da Justiça, foi-lhe dada a responsabilidade Provedora de Justiça de Crianças.
A sua obra infanto-juvenil inclui poesia, contos, Banda desenhada, teatro, novelas, cómicos e a adaptação de clássicos da literatura. Em 1986 recebeu o Grande Prémio Calouste Gulbenkian de Literatura para Crianças e Jovens, pelo conjunto da sua obra literária.

Mateus,6ºA

Semana da Leitura 2019: Poesia em Inglês

Para celebrar o dia da poesia, o Departamento de Línguas dinamizou uma atividade de leitura expressiva em língua inglesa que decorreu na Biblioteca Escolar. Foram lidos textos de autores ingleses e americanos bem como da autoria dos alunos. Nesta atividade participaram as turmas A ,B, e D  do 9º ano,  A, B, C, e D do 10º ano,  e A do 11º ano. Agradecemos a colaboração de todos os envolvidos.










sexta-feira, 22 de março de 2019

Semana da Leitura 2019: Poesia em Inglês


Semana da Leitura 2019: Celebrar Sophia


Celebrar Sophia no Centenário do nascimento é ouvir a sua voz dizer os poemas por onde passam o mundo e a vontade de o tornar real, nítido e justo como são as palavras em que o disse.


Na Biblioteca continuamos a celebrar a leitura, o livro e o leitor, promovendo atividades para festejar a leitura como ato comunicativo, diálogo entre as artes, as humanidades e as ciências, espaço de encontro, criativo e colaborativo.
Desta vez mobilizamos uma vasta comunidade educativa em torno da vida e da obra de Sophia de Mello Breyner Andresen (1919 – 2004) e da sua poesia, numa atividade que perdurará na nossa retina durante muitos anos. Grande parceria entre Alunos, professores e funcionários que contribuiu para alargarmos a rede de leitores, a promoção da leitura e da escrita como objeto de prazer e liberdade.
Se um elevado número de alunos aproveitou esta festa da Poesia para apresentar trabalhos de sua própria autoria, um grupo de alunos leu poemas de Sophia onde ficou bem vincada a sua obra, que tem na poesia o centro à volta do qual tudo roda e é uma das mais importantes da nossa cultura e da história dela.
No Centenário do seu nascimento, comemorar Sophia é comemorá-la, lembrá-la em comum. E é celebrar essa funda e desassombrada exaltação da vida, essa aguda e universal consciência do mundo de que a sua poesia dá testemunho para sempre.
Para o realizarmos, cumprindo propósitos de qualidade, rigor, abertura e dinamismo, mobilizamos uma vasta comunidade educativa que reconhece em Sophia aquilo que é: uma grande poeta e uma exemplar figura moral, cívica e cultural, que nos inspira e desperta, desafia e renova. Em suma, uma personalidade única, de uma vida intensa e de uma obra excecional, que é contemporânea do presente e continuará a sê-lo do futuro.